Blog
2017-01-25

Cabo de São Vicente - O Fim do Mundo

A cinco quilómetros de Sagres, fica o ponto mais a sudoeste da Europa: Cabo de São Vicente, o último pedaço de casa para onde os marinheiros portugueses já olharam quando partiram para o desconhecido. A2Z convida-o a explorar este místico e estéril promontório.

Imagine-se numa paisagem remota, selvagem e varrida pelo vento, com falésias que o tornam um marco obrigatório para qualquer navio que viaje para o Mediterrâneo. Assim é o Cabo de São Vicente. Os penhascos dentados sobem até 60 metros dos mares corajosos. Bem acima está a guarda das linhas de navegação, um dos faróis mais brilhantes da Europa. Seus feixes de luz podem ser vistos a 60 milhas de distância.

A grandeza física do Cabo de São Vicente e o facto de ser o ponto mais sudoeste da Europa continental transformaram este promontório em solo sagrado. Os antigos gregos chamavam-lhe a "Terra das Serpentes", os romanos pugnaciosos preferiam, estranhamente, a designação do Promontorium Sacrum ("Santo Promontorium"), que viria a dar origem ao nome de "Sagres".

O nome do Cabo deriva de um sacerdote espanhol martirizado no início do século IV. Segundo a lenda, seus restos mortais foram trazidos ou lavados em terra no Promontorium Sacrum, o Cabo Sagrado, como era conhecido nos tempos antigos.

Para os cidadãos de Roma, o Cabo de São Vicente era o "Fim do Mundo", um vórtice sobrenatural onde o sol poente estava dramaticamente submerso pelo imenso e desconhecido oceano. O mito persistiu durante toda a Idade Média até que um homem resolveu acabar com todo esse disparate louco e, com isso, pôr fim à Idade das Trevas: O Infante D. Henrique, o Navegador, pai da Idade de Ouro dos Descobrimentos em Portugal.

Actualmente, o local mais brilhante do Cabo de São Vicente é o Farol vermelho português de São Vicente, construído no local de um convento franciscano do século XVI, em 1846. O Farol foi sucessivamente ampliado e modernizado, albergando agora o Museu dos Faróis, mostrando o papel de Sagres na história marítima de Portugal. Sendo um dos faróis mais poderosos da Europa e uma das rotas marítimas mais agitadas do mundo, o Cabo de São Vicente é uma das nossas paragens obrigatórias naturais durante os passeios a pé e de bicicleta A2Z, além de ser o ponto de partida e de chegada de alguns dos nossos passeios a pé e de bicicleta no Algarve e na Rota Vicentina. O Cabo é também um importante caminho de voo para aves que migram de e para África, bem como o lar de várias espécies de plantas rústicas que só lá se encontram. A A2Z dá-lhe as boas vindas a esta maravilhosa experiência. O pôr-do-sol à beira-mar está incluído.

FAQ